Com certeza você já ficou com dois produtos semelhantes no carrinho, tentando descobrir qual deles traria o melhor custo-benefício. Não se preocupe: tem muita gente que, por mais que queira muito se cuidar melhor, ainda tem dificuldades com tantos nomes, marcas e coisas novas que surgem a cada minuto no mundo da beleza. Por isso, no post de hoje vamos conversar sobre maquiagens nacionais e importadas.

Graças ao mundo globalizado em que vivemos, muitas vezes temos mais conhecimentos de produtos gringos (e mais caros) do que dos nacionais, mais acessíveis e de igual qualidade. O que acontece é que preferimos sempre levar aquilo que já conhecemos, principalmente quando o assunto é pele. Ninguém gosta de correr riscos com a cútis, não é mesmo?

Vamos listar aqui quatro diferenças entre maquiagens nacionais e importadas, para você acabar de uma vez por todas com o dilema do check-out.

1. O Brasil ainda é um mercado novo

Não tem jeito: a velha lei da oferta e da procura é o principal ponto de diferenciação — ou, pelo menos, era. O Brasil ainda aprendia a engatinhar quando os Estados Unidos e a Europa já estavam consolidados no mercado da beleza. Não dava nem para competir.

Mas somos brasileiros e não desistimos nunca. Adoramos tendências e nos preocupamos muito com o cuidado ideal para nossa pele. Por isso, somos hoje o terceiro mercado consumidor de produtos de beleza no mundo.

Isso fez com que empresas nacionais, grandes e pequenas, passassem a investir na indústria. O resultado desse investimento é que temos hoje — produtos de qualidades e resultados tão bons quanto os de fora.

2. A maquiagem brasileira é feita para a brasileira

Nós, brasileiras, temos em geral a pele mais oleosa. Por isso, boa parte dos produtos nacionais é criada pensando nesse perfil. Contudo, isso deixa as meninas de pele mais seca com uma gama enxuta de opções na hora de prepará-la.

Nesse sentido, pode-se dizer que os gringos saem ganhando. Lá fora, encontramos uma variedade maior de acabamentos e fórmulas, o que facilita a vida na hora de fazer aquela pele dos sonhos.

Em contrapartida, as marcas nacionais estão investindo cada vez mais em cobertura matte (a preferida das brasileiras), em primers para sombras e em cores e texturas diferentes de batons, oferecendo produtos que estão em alta no mercado internacional e nas mais diversas opções.

3. Marcas importadas possuem mais opções de cores

Levante a mão quem nunca sofreu para encontrar o tom perfeito da base ou corretivo. Provavelmente todos que usam maquiagem já passaram longos minutos em frente ao balcão de uma loja ou navegando em vários sites até encontrar aquele produto que combinasse perfeitamente com a cor da sua pele.

As marcas internacionais possuem entre 15 e 25 cores de base disponíveis, enquanto as marcas nacionais têm, em média, oito. Porém, algumas empresas brasileiras estão atentando para esse detalhe e criando linhas que atendam mais pessoas, acabando com esse sofrimento. Por isso, não desista: marcas como a Tracta e a Vult estão cada dia mais perto do nosso ideal de variedade. Vale dar uma olhadinha!

4. Marcas nacionais são mais em conta

Na hora de quebrar o cofrinho com um produtinho de beleza pode até dar uma dor, não é? Queremos sempre um bom custo-benefício. Se esse é o seu objetivo, se jogue nas marcas nacionais. Essa é uma batalha que vencemos com folga!

Para chegar até nós, os produtos gringos passam pelos impostos de importação e outros encargos, que deixam tudo bem mais caro. Ainda bem que a tecnologia em cosméticos brasileira está cada vez mais avançada, permitindo que a gente crie aquele look rico sem deixar o bolso vazio!

Conhece alguém que tem dúvidas sobre como escolher entre maquiagens nacionais e importadas? Compartilhe o post em suas redes sociais e marque suas amigas!